Primavera(s) de Deus

  • Explicação

    Maria, figura central da próxima Jornada Mundial da Juventude, é o primeiro sinal da Primavera de Deus, no inverno da humanidade. Como no-lo recorda o lema da JMJ, partiu “apressadamente”, porque essa Primavera, anunciada pelos profetas e ansiada pelo “povo que habitava nas trevas” (Mt 4, 16; Is 9,1) não podia mais ser adiada: tinha de contagiar outros, como mais tarde fará seu Filho Jesus, pelos caminhos da Palestina.

    Passados dois milénios, o inverno persiste (conflitos, desigualdades e injustiças). Porém, tampouco essa Primavera deixou de dar sinal de si, da sua presença atuante.

    Propomo-nos descobrir e conhecer “rostos jovens” de Deus. Jovens que foram Flores e frutos de fé, testemunhando a alegria e a paz dos filhos de Deus, em situações extremas de sofrimento ou na defesa da pureza; flores e frutos de esperança perseverante no longo inverno persecutório da fé, em tantos lugares do planeta e ao longo da história; flores e frutos de caridade que perfumaram a humanidade, na entrega das suas vidas pela dos outros, mais pobres ou vulneráveis da sociedade, em defesa da verdade e da justiça.

    São raparigas e rapazes de 4 continentes, dos séculos XX e XXI. Uns, cristãos desde o berço, outros, conversões extraordinárias, onde e quando menos era espectável. Todos morreram cedo, mas marcaram o seu tempo e seus conterrâneos, porque todos frutos maduros. Assim são as Primaveras de Deus.

    Desafiamos-vos, ao longo deste ano, a conviverem com eles: tomai-os como companheiros de vida cristã, mestres com quem aprender, amigos espirituais em quem colher inspiração e a quem orar, pois a maioria é venerável ou beatificada.

Primavera 82 - WIVINE SEBYERA

WIVINE SEBYERA nasce em 1955 no coração da África, no Zaire, atual República democrática do Congo.WIVINE SEBYERA
Na escola é inteligente mas, simultaneamente, turbulenta. Há desordem na sala de aula? É quase certo que ela esteja na sua origem. É exímia em fazer rir, inventar brincadeira divertidas e contar histórias. Mas, com o tempo, Wivine torna-se também séria, cheia de bondade, revelando um sentido agudo das responsabilidades e um grande talento de organizadora e até de atriz e comediante.
Em 1972 adota o sobrenome de Babane que significa “traço de união” mostrando assim o seu ideal de reconciliação: onde quer que haja divisão, ser testemunha de unidade.
Após o curso de bioquímica, dá aulas. Um dos seus alunos dirá dela: “As suas aulas vivas, claras e bem preparadas eram dadas num tom familiar… Interessava os alunos, divertia-os. O seu sorriso falava da sua alegria, do seu amor.”

Continuar a ler

  • Visualizações: 467

Primavera 81 - SANDRA SABATTINI

A 24 de outubro de 2021, foi beatificada SANDRA SABATTINI, jovem italiana de 22 anos.SANDRA SABATTINI 1
Estudava medicina e sonhava fundar, juntamente com o seu noivo, uma comunidade ao serviço dos “últimos entre os últimos”, em África. Tornou-se assim a primeira noiva beatificada pela Igreja.
Nascida em 19 de agosto de 1961, em Rimini, cidade da costa adriática. Adolescente, inicia um diário, a partir de 1972. Três anos depois, conhece o padre Oreste Benzi, fundador da Comunidade João XXIII que se dedica ao acompanhamento e ajuda a pessoas com deficiência ou dependência. Sandra abraçou este projeto, de corpo e alma. Esta experiência marcou-a profundamente. "Demos tudo de nós, mas são pessoas que eu nunca abandonarei”, disse ela à sua mãe, com apenas 13 anos, após o seu primeiro contacto com esta realidade.

Continuar a ler

  • Visualizações: 384

Primavera 80 - GUIDO SCHAFFER

GUIDO SCHAFFER foi médico, surfista e seminarista.GUIDO SCHAFFER 1
Nasceu a 22 de maio de 1974, no estado de Rio de Janeiro, no seio de uma família profundamente crente e participativa na vida eclesial. Desde cedo, cultivou o gosto pela praia, pelo mar e desportos. De comportamento dócil fazia amigos com facilidade. Sua preocupação era levá-los para Cristo, encaminhando-os para o sacramento do crisma e depois para os inserir no grupo Cenáculo (Movimento Sacerdotal Mariano).
Entretanto, cursou Medicina, durante o qual fundou o Grupo Fogo do Espírito Santo (grupo de oração carismática). Formado, optou por exercer a medicina como clínica geral, especialidade que lhe permitia avaliar o paciente como um todo. Do tempo de exercício na medicina, um professor de medicina afirmou: “Em todo o tempo, dava testemunho de sua fé, no seu proceder irrepreensível com os outros. Vivia conforme os valores cristãos da cordialidade, temperança, caridade e justiça.”

Continuar a ler

  • Visualizações: 333

Primavera 79 - MARIA FELÍCIA G. ECHEVARRIA ("Chiquitunga")

MARIA FELICIA GUGGIARI ECHEVARRIA, também conhecida sob o nome “Chiquitunga” nasce no Paraguai em 1925.MARIA FELICIA Chiquitunga Vive a sua infância e juventude perturbadas pelos conflitos bélicos, primeiramente com a vizinha Bolívia e, mais tarde, com uma guerra civil. Seu pai, politicamente implicado, vê-se obrigado a exilar-se várias vezes, deixando a esposa e seus sete filhos. Daí que a formação intelectual e religiosa de Maria Felícia fiquem para segundo plano.
É já adolescente que trava conhecimento com a Ação Católica, recentemente instituída no país. Pela oração e retiros promovidos pelo movimento, ela encontra-se com a pessoa de Jesus que se torna o ideal da sua vida. Contrária às “meias-medidas”, decide consagrar-se-Lhe através de um voto privado de virgindade. Em sinal disso, passa a vestir de branco e de forma simples. Essa aparência facilitar-lhe-á aproximar-se dos pobres a quem ela passa a visitar, assim como os doentes. É com generosidade que se dedica ao apostolado junto das crianças que ela prepara para os sacramentos. Ela própria é um exemplo, comungando diariamente.

Continuar a ler

  • Visualizações: 349

Primavera 78 - PATRICK GIRAUD

Nascido a 2 de Setembro de 1953 em Rouen (norte de França), PATRICK GIRAUD é um jovem afetivo, calmo, obediente,PATRICK GIRAUD 1 Cópia extremamente respeitador e tem horror à mentira. Quem o conheceu não esquece o seu riso franco. Participa em acampamentos da JEC (Juventude Estudantil Católica) do qual se tornará animador e, juntamente com outros amigos, funda um grupo de animação paroquial, “Os Aleluias”.
Depois do bacharelato, integra um grupo de preparação para o sacerdócio. Desde pequeno manifestara esse desejo. Por isso, pretendia desenvolver estudos superiores para melhor compreender e ajudar os outros assim como adquirir mais experiência de vida a fim de se tornar um padre com maior vivência.
Porém, em 1975 a sua saúde altera-se bruscamente.

Continuar a ler

  • Visualizações: 348

Primavera 77 - MÁRIO BORZAGA

MÁRIO BORZAGA, nasceu em Trento, nos alpes Italianos, a 27 de agosto de 1932.MARIO BORZAGA 1
É o terceiro de quatro filhos de uma família modesta.
Já no seminário, é cativado por um testemunho missionário. Tem então 20 anos. Decide ingressar no noviciado dos Oblatos de Maria Imaculada (OMI), uma congregação missionária, Quase nas vésperas de fazer os votos perpétuos, em 1956, Mário escreve seu diário: “Compreendi qual é a minha vocação: ser um homem feliz, até no esforço para me identificar com Cristo crucificado. Quantos sofrimentos ainda me esperam Senhor? Só Tu sabes. Eu, em todos os tormentos da minha vida digo ‘Faça-se a Tua vontade’”.
Em 1957, é ordenado sacerdote. Mário oferece-se para integrar um grupo de missionário que estão de partida para o Laos (entre o Vietname e a Tailândia), país em guerra e por evangelizar, num contexto de pobreza e sacrifício.

Continuar a ler

  • Visualizações: 332

Primavera 76 - EGIDIO BULLESI

Quando vem ao mundo a 24 de Agosto de 1905, EGÍDIO BULLESI nasce croata.EGIDIO BULLESI
Mas a Primeira Grande Guerra e consequentes alterações geográficas vão torná-lo italiano. É o terceiro de oito irmãos de uma família modesta que sobrevive à custa do trabalho do pai.
Com o rebentar do conflito bélico, toda a família se vê obrigada a refugiar-se primeiro na Hungria, depois na Áustria. Durante esses anos de exílio, Maria partilha com o seu irmão Egídio o seu fervor pela eucaristia e a sua devoção a Maria.
Quando, por fim, a guerra acaba Egídio regressa à terra natal, Pola, onde trabalha com o pai na indústria naval como metalúrgico. Tem apenas catorze anos. Nos intervalos desse trabalho árduo, o jovem rapaz concentra-se no estudo pois quer progredir e contribuir para o sustento da família.

Continuar a ler

  • Visualizações: 321